PANAPLÉIA

Minha foto
Bem-vindo(a) ao Laboratório de Autoria de Panapléia! À esquerda das postagens, estão meus textos divididos em categorias e temas. À direita, indicações de blogs e as mídias sociais. No rodapé, mimos felinos e os créditos do blog. Boa leitura!

OH, YES! NO CEMITÉRIO


Tudo bem, o assunto pode parecer engraçado para você que leu este título. No meu caso, a idéia me apavora por diversos motivos. Sem falar no asco de imaginar que tenho parentes sepultados no dito “campo santo” em questão. Sei que o assunto é polêmico e que alguns de vocês devem estranhar a minha escolha. É preciso então justificar como cheguei a este tema.

Ano de eleição para prefeito, comício e reuniões políticas em todo buraco. Trabalho numa escola de zona rural que fica entre dois municípios. Isso faz com que eu seja obrigada a escutar debates calorosos sobre a situação eleitoral de ambos. Conversando com meus colegas da cidade vizinha sobre as festas promovidas pelos candidatos surgiu um comentário que me surpreendeu:

- A festa que o candidato X promoveu no sítio Y durou até umas quatro horas da madrugada. Depois a gente só via os casais indo para o lado de um cemitério que tem por lá. A gente só via as sombras do povo passando pela cerca e sumindo lá por dentro. Eu mesmo precisei urinar e fui até lá na cerca, mas não dava para ver ninguém, só escutar o movimento.

Demorei a entender que o meu amigo não estava falando de fetiche, mas de uma situação esdrúxula em pleno século XXI. Não tem motel na cidade. Existem sim, prostíbulos onde as “moças de família não entram”. Os rapazes já não pagam por sexo há muito tempo. Também não há permissão para que as relações aconteçam na casa de um deles. Solução? Aquilo que se convencionou chamar de anormal vira regra. Cadê os donos das redes de motel do país para olhar os pequenos municípios carentes?

Apesar de ter ouvido muitos detalhes sobre o assunto resolvi checar com outras pessoas da cidadezinha e obtive as confirmações. Sim, é um hábito dos jovens promoverem orgias no cemitério urbano e mais ainda nos rurais. Pára o mundo que eu quero descer! E eu aqui feito uma otária me desdobrando para explicar “Noite na Taverna” e "Noivado no Sepulcro" para meus alunos do Pré-Vestibular, quando tudo poderia ser resolvido com uma aula de campo à noite. Pensando bem, melhor não. Nunca se sabe quem se esconde por trás daqueles rostinhos inocentes.

Isso me fez lembrar uma aula de Didática – veja bem o que andam ensinando nas universidades – em que a professora explicava o quanto o contato com a morte desperta a libido do ser humano. Ou seja, o período mais propício para se manter relações sexuais é durante o luto de alguém bem próximo. (?!?!?) Como exemplo, contou de uma amiga que foi para o enterro da mãe do paquera e acabou tendo um final de semana ninfomaníaco na cama de casal da falecida.

Já que a “Infernet” tem resposta para tudo resolvi buscar histórias interessantes em sites brasileiros. Vejamos alguns trechos:
..............................................................


“Sou muito mais um sexozinho convencional e bem saudável entre duas pessoas cheias de tesão umas pelas outras, entre quatro paredes com a cumplicidade da privacidade para fazerem o que quiserem e aos poucous irmos povoando o mundo, (...) Conheci uma garota, certa feita que queria transar num cemitério, ao lado de ratos & baratas, pra não falar dos coveiros que adorariam certamente a cena, isso se também não quisessem participar, pois eles também são filhos de Deus!Mandei-a plantar batatas e olha que ela era gostosinha pra caramba, mas não dava liga ! Sexo é feito em lençóis limpinhos, a gente saindo do banho, perfumados, um incenso e uma musiquinha rolando, beijos, abraços uma atmosfera apaixonante!Eu sou piegas, sou um apaixonado pelo amor convencional ! Vocês, adeptos dessas coisas estão muito adiantadpos, sei lá, se é isso, eu sou Alcanu, não sou o Zé do Caixão, de quem sou macaco de auditório pela postura dele de ser tão autêntico!Ainda hoje eu trombo com ele, nas raras noites em que de madrugada ando pelo perigoso BIXIGA, digo pelo perigoso pois não luto porra nenhuma, diante de um assalto estaria francamente fodido! É salutar evitar esse lugar, tarde da noite, mas as ameaças ali existentes, são todas deste mundo, infelizmente, prostitutas de quinta categoria, traficantes, viciados de tudo que possa ser comercializado, punguistas, vagabundos, pedintes, realmente um quadro triste de uma sociedade plenamente decadente e suja! Andar por aí é pedir pra ser assaltado, Deus tem me protegido, mas eu prefiro não abusar, tenho dois filhos pra criar e não vou dar mole por nada! (...) Adorava Contos da CRipta, já vi muito filme de terror, tantos que os execro, (...) Menino, você escreve tão bem, há até uma certa sensualidade em suas personagens se elas ficasse vivas por mais de uma ereção, mas não, morrem gozando (o orgasmo já é uma pequena morte, isso não os satisfaz?)(...) meus personagens, se tivessem transado iriam correndo prum chuveiro, tomariam um banho juntos, um mijaria na mão do outro e se deitariam molhados e abraçados noite adentro, com direito a acordarem dispostos a novas e maravilhosas fodas homéricas!”

“Minha esposa e eu moramos em Santa Maria, cidade centro do Rio Grande do Sul. Nossos nomes não importam, mas o que irei relatar aqui aconteceu numa linda noite quando decidi realizar uma das maiores fantasias de minha amada esposa. Transar no cemitério a noite. Eu a muito desejava realizar a fantasia dela, mas de tardinha, mas ela insistia que queria a noite. (...) Então tive que escolher um cemitério, um local sem perigo para nós dois, que permitisse a entrada a noite. Não poderia ser no Cemitério Municipal nem no Santa Rita. Optei pelo cemitério de Arroio Grande, um distrito de nossa cidade que fica a 23 Km daqui. Um lugar lindo, de colonização predominantemente italiana, com um cemitério antigo e muito bonito, um lugar tranqüilo. Meus parentes vieram de lá. O cemitério tinha um portão de acesso que a noite era chaveado, mas seu muro era muito pequeno, permitindo que pudéssemos pular para realizarmos a fantasia tão sonhada de minha esposa. (...) Quando chegamos em Arroio Grande estacionei o carro na grama próximo ao cemitério e tomei cuidado para ver se haviam pessoas do lado de fora de suas casas, afinal como é uma localidade do interior todos se conhecem e poderiam estranhar aquele carro naquele horário no cemitério. Como eu suspeitava o portão já estava fechado com correntes e um cadeado. Tomando o devido cuidado para não sermos vistos, peguei minha esposa no colo e a coloquei sentada no muro e pulei ele ajudando-a a descer depois. Então fomos caminhando para o meio do cemitério. Quando a agarrei e a beijei, a olhei nos olhos, seu sorrizo, o brilho de seu olhar mostrava que ela estava adorando aquilo, o que estava por vir. Senti-me feliz em realizar o desejo da mulher que tanto amo e admiro. (...) Saímos da capela, juntamos nossas roupas, nos vestimos e saímos pulando o muro. Quando entramos no carro não conseguíamos parar de rir da situação, analisando a loucura que tínhamos feito.”

“FARRA DE PENTELHOS BRANCOS: Polícia flagra vovôs fazendo sexo em cemitério de Franca, no interior de São PauloDois senhores, ambos acima de 50 anos, foram advertidos pela polícia após serem flagrados fazendo sexo no cemitério municipal de Franca (440 km a norte de SP).A denúncia foi feita por uma viúva que, ao visitar o túmulo do marido, surpreendeu o casal de morcegos fazendo a farra de pentenhos brancos. Os vovôs sapecas foram vistos se acariciando nus sobre uma lápide durante a tarde. COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO: A polícia não confirma se a música "Freedon", de George Michael, foi executada durante o atentado ao pudor. Tudo indica que a calúnia teria partido do coveiro, como forma de vingança por um dos acusados ter se fingido de morto para comer seu cu. Sobretudo, quem merece uma surra de bainha de facão é a viúva dedo-duro. A maldita não entende que sexo anal na terceira idade só ocorre uma vez ao ano.”


Pesquisei mais um pouco e descobri que a singela aventura é um crime previsto no Código Penal chamado de vilipêndio a cadáveres. Segundo o Aurélio, meu amigo de infância: [Do b.-lat. vilipendiu.] S. m. 1. Desprezo, menoscabo; aviltamento: & [Cf. vilipendio, do v. vilipendiar.] Só não consegui saber a pena prevista para esse crime. Nem vou pesquisar a respeito porque esse aí eu não cometeria nem sobre ameaça de esquartejamento.
Para encerrar a investigação procurei em uns fóruns o que o mundo diz sobre o assunto e encontrei respostas diversificadas. Em todas seguem meu comentário:

>>> Ow loko, que fetiche maluco esse..... mas, se vc quer, vá adiante... aiaaiaiaiai.....
PI: Só porque a Xuxa pregou que “Querer é poder” os baixinhos levaram isso ao pé da letra.

>>> Você deve estar se influenciando com histórias macabras, creio que nunca teria desejos estranhos assim, mas enfim respeito às fantasias de outros!
PI: Demorou para colocarem a culpa na Literatura.

>>> Pior seria se vc transasse dentro do túmulo.....e com o defunto......
PI: Isso tem nome – necrofilia – modismo na Segunda Geração Romântica.

>>> Basta ter coragem, e mandar brasa.
PI: A cada dia eu me confundo mais com o significado da palavra coragem.

>>> Tem mulher perdendo a virgindade em cemitério... Pense nisso!
PI: Meu comentário foi censurado.

>>> Não teria coragem. Mas o medo de alguém pegar ou ver é bem legal.
PI: Querida, se o alguém que você se refere estiver vivo, sugiro uma escada rolante de shopping véspera do Dia das Mães.

>>> É tenebroso! Ou você grita de prazer, ou você grita de medo!
PI: Eu aqui na pastilhinha e no melzinho para salvar minha voz e a desocupada com uma garganta boa dessa.

>>> Acho que existem coisas piores, mas deve ser extremamente desconfortável... mas que lugarzinho ordinário esse que vc escolheu, hein....
PI: E isso é hora de pensar em conforto, dondoca? O assunto é caso de vida ou morte!

>>> É um desrespeito ao túmulo de uma pessoa. Você gostaria que estranhos transassem no túmulo de seu avô ou até de seu pai?
PI: Eu que o diga, eu que o diga! Tem parente meu lá.

>>> É ridículo... E assustador!! Vc naum tem medo de alma penada? Vai que uma mão gelada passe na minha bunda, ô loco!!! eu , heim!!! tô fora dessa doideira.
PI: Estou começando a me sentir normal de novo. Alguém pensa como eu.

>>> Já pensou alguém ser gerado num cemitério, bah! Use camisinha!
PI: Esse a mãe poderia olhar para ele e dizer sem piscar: Viestes do pó e ao pó voltarás!

>>> Desde que não seja com o morto do túmulo.... È só meio excêntrico, mas se vc tem vontade se joga !!!!!
PI: Isso é uma mulher ou uma bola bicha?

>>> acho que tem muita gente que gosta, né? é tipo um motel, com vizinhança, mas ninguém para te deletar...mas não gosto de pensar que fazem isso no túmulo de meus avós, não.
PI: Essa criatura precisa ler o conto “Moça, telefone, flor” do Drummond para aprender que fantasma conta as coisas, sim, até por telefone. Ou por acaso depois que a gente morre não sabe mais usar o aparelho?

>>> Não é um bom lugar, até pelo perigo da violência, não dos mortos é claro. mas dos bandidos que se escondem entre lápides para assaltar.
PI: Essa senhora que respondeu isso deve ter idade avançada. No tempo dela, os bandidos dormiam nos cemitérios aventurando roubar os preservativos de algum meliante. Hoje é mais fácil o cidadão virar assaltante para ter dinheiro para levar a gatinha para o motel.

>>> Tô fora, tanto lugar mais confortável para fazer amor como em cima de uma cama, vou querer fazer em cima de uma laje gelada com uma caveira embaixo, longe de mim...
PI: Realmente, uma cama é bastante original. Gostei da sugestão da colega.

>>> o cara "dono" daquele corpo já se foi, e o corpo e o enterro são apenas cerimônias que não são necessárias, por isso não tem nada a ver...
PI: Não diz isso porque se o MST tomar conhecimento se apropria dos terrenos.

>>> Não mexe com quem tá quieto. Já pensou se alguém resolve acordar com o barulho, vc não ia gostar.
PI: Concordo, concordo. O referido é verdadeiro. Dou fé.

>>> É muito possível pegar bactéria de corpos em deteriorização.ó que pra curar isso já vou te dizer... é um probleeeeemaaaaoooooo.
PI: Um tema sério desses há quem consiga ser hipocondríaca.

>>> acho de um tremendo mau gosto, mas como tem gosto para tudo... deleite-se.
PI: Gosto não é mais chegar num restaurante de comida por quilo e escolher a que abre o apetite, não?

>>> Não sei se é pecado.... mas que é esquisito é... uma coisa macabra!!
PI: Ainda tem quem se preocupe se um trem desse é pecado? Isso é lá hora de meter religião na muvuca. Isso me lembrou uma pérola de piada que encontrei no meio desses trambolhos. Posto no final, apesar de não ter aprovado.

>>> Eu acho desrespeito mas se estiver com muita vontade e não tiver outra alternativa é muito bom, pior é não matar a vontade e ficar pensando depois porque perdeu a chance.
PI: Esse aí já estamos vendo que é brasileiro e não desiste nunca. Ah, um desse na seleção!

>>> Isto se chama orgastério.
PI: Caramba! Esse sujeito deveria ser escritor. Eu jamais encontraria uma definição melhor.

>>> Dentro do túmulo deve ser melhor ainda.
PI: Pela disposição esta candidata entraria até sozinha no túmulo e se satisfaria com o que encontrasse lá dentro – um ossinho de tamanho estratégico, talvez. Argh!

>>> Prefiro dentro do teleférico do Rio, olhando o Cristo redentor de braços abertos, perguntando: "que baixaria é essa aí?!"
PI: Quando o Zé Carioca nos representa mundialmente a gente ainda reclama.

Se Lygia concordasse com essas inovações, “Venha ver o pôr-do-sol” seria erótico e deixaria de ser a obra-prima que é. Agora, vamos parar com esse papo macabro porque são 04:27 da madru e eu pretendo dormir sozinha – sem visitas no meu sonho – até o meio-dia. Como eu havia prometido, a piada infame:

“FREIRA NO CEMITÉRIO:

O cara, de cabelo comprido, está no ônibus, sentado, quando entra no coletivo uma freirinha excepcionalmente gostosa. Ela escolhe sentar justamente do lado do sujeito. Depois de passar toda a viagem olhando a freira de cima a baixo, o homem não se controla e, com toda a cara-de-pau do mundo, convida a religiosa para uma noite de sexo. Assustada, a freirinha recusa veementemente o convite e desce no ponto seguinte. O cobrador, que ouviu todo o diálogo, chama o cabeludo e diz:

— Eu sei como você pode transar com essa freira!

O passageiro, curioso, pergunta qual é a receita. E o cobrador responde:

— Toda quarta-feira à noite, ela vai ao cemitério rezar. Aproveite que você tem esse cabelo comprido, vista uma túnica e cubra um pouco o rosto. Vá até lá e diga que é Jesus Cristo. E, claro, ordene que ela transe com você.

No dia e hora marcados, lá estava o cabeludo no cemitério esperando a freira. Assim que ela chega, ele salta de trás de um túmulo e diz:

— Eu sou Jesus! Todas as suas preces serão atendidas, mas com uma condição: você terá que transar comigo!

A freira concorda, porém pede que eles façam sexo anal, pois ela deve manter o voto de castidade. O falso Jesus concorda e eles passam mais de duas horas transando sobre a lápide. Assim que termina, o cabeludo não resiste a sacanear, ainda mais, a freira. Tira a túnica do rosto e grita:

— Há, há, há! Eu sou o cara do ônibus!

A freira tira o véu e diz:

— Há, há, há! E eu sou o cobrador!”

PI: RK, avisa para D. Orestina que está confirmado o fim do mundo.

2008

3 comentários:

  1. Algum ANÔNIMO (do tipo que se masturba em cemitério na madrugada de uma sexta-feira 13) reclamou que este post foi "copiado da internet". A BESTANTA que fez isso, favor verificar o texto e ver que eu emprego o termo PESQUISA mais de uma vez, uso aspas e cores diferentes para os trechos copiados. Só é meu texto a fonte preta, seu ENERGÚMENO!

    PS: Não postei seu comentário pq quem manda nessa budega aqui sou EU. Sinto muito se você entrou na minha festa sem convite.

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Adorei demais a piada!!

    Quanto aos casais de cemitérios, cada coisa que agente encontra por aí... Certas pessoas se contentam com muito pouco, túmulos meus deus!

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkkkk
    Ri denovo, dessa vez, com seu comentário aqui!
    Da mesma forma que tu é capaz de encantar, é capaz de matar um em palavras!
    Não gostaria de estar na pele deste indivíduo haha

    Ah, vou postar essa piada em meu fotolog visse?
    O pessoal vai gostar...

    Bj

    ResponderExcluir

Caro visitante...

Se tiver dúvidas no preenchimento dos campos, selecione a opção "anônimo" e assine no final (nome, cidade e estado).
Seu comentário será moderado e aprovado (ou não, no caso de spam) através do meu e-mail pessoal.
Sua participação é muito importante para a continuidade do meu trabalho.
Grata pela colaboração despenteada!

Paula Izabela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...